Fernanda Júlia

Fernanda Júlia

Fernanda Júlia Barbosa, mais conhecida apenas como Fernanda Júlia, nasceu em Alagoinhas, interior baiano cidade onde está situado o Ilê Axé Oyá L’adê Inan, terreiro onde assume a função de Yakekerê (mãe pequena). Diretora, dramaturga e pesquisadora é uma das grandes revelações do teatro nacional. Sua pesquisa sobre ancestralidade e as possíveis traduções do universo do candomblé são valiosas não apenas para profissionais da cena como para todas as demais de expressões artísticas. Graduada no curso de Direção Teatral da Escola de Teatro da UFBA e mestra pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas – PPGAC – UFBA, fundou em 1998 o Núcleo Afro-Brasileiro de Teatro de Alagoinhas – o NATA. Com a companhia, vem realizando espetáculos e atividades culturais que discutem, divulgam e valorizam a cultura negra. Seus projetos possuem como eixo norteador a história e e religiosidade afro-brasileira e têm como objetivo a desmitificação de preconceitos que povoam histórica e culturalmente o imaginário coletivo da sociedade, resultado de um processo de colonização e racismo. Entre os espetáculos estão “Siré Obá”, “Ogum, Deus e Homem” e “Exú – A Boca do Universo”. Atualmente, dirige ainda junto com Susan Kalik o documentário DO QUE APRENDI COM MEUS MAIS VELHOS, premiado no Curta Afirmativo.